skip to Main Content

Eu quero um filhotinho desmamado!

Artigo escrito em parceria com Dani Warhlers, fotógrafa, dona do Fritz, o Schnauzer mais lindo do mundo e autora do  Blog Barbas e Bigodes

Uma das coisas mais complexas da criação de cães é o encaminhamento dos filhotes às suas novas casas. Este momento sempre gera grandes expectativas nos futuros proprietários que, na maioria das vezes, caem no fatídico erro de querer acelerar o processo, pensam:

want

Aah! Eu quero um filhote bem novinho!!

E não percebem que ir para uma nova casa significa uma enorme mudança na vida de um filhote.

Não é raro filhotes serem adquiridos por volta dos 40 dias e muitos consideram isso uma prática normal. Mas acreditem! Nesta decisão mora um grande perigo!  Ao retirar um filhote de sua matilha nesta idade estará tirando uma oportunidade importantíssima de desenvolvimento social para o filhote, o chamado  Imprinting canino.

O imprinting é uma fase pela qual todos os filhotes animais passam e cada espécie possui um período diferente para se estabelecer. Nós, por exemplo, aprendemos muito com nossos pais e irmãos, principalmente na primeira infância. No caso dos cães este período se dá entre o primeiro e quarto mês de vida e não é muito diferente dos humanos, eles precisam de sua matilha para aprender – a isso chamamos de formação da “personalidade”, ou na linguagem mais técnica, imprinting.

Este processo foi investigado pela primeira vez pelo austríaco Konrad Lorenz, um dos pais da etologia moderna e ganhador do Prêmio Nobel de Fisiologia/Medicina em 1973 pelos seus estudos sobre comportamento animal. Ao observar patos e gansos Lorenz descobriu que o imprinting ocorre durante um período relativamente curto chamado de período sensível ou período crítico. No caso dos cães, é nesta fase que  desenvolvem a habilidade de comunicação com outros cães da matilha e a aprendem a se posicionar na hierarquia social. As informações aprendidas durante este processo podem ser difíceis ou impossíveis de reverter.

ac71586ffcee0400_large

Segundo Con Slobodchikoff, professor emérito do Departamento de Biologia da Universidade do Arizona, o imprinting é a primeira oportunidade de aprendizagem que acontece na idade tenra do animal. Numa matilha, durante os primeiros passos de uma ninhada, a mãe e os cães mais velhos permitem que os bebês façam quase tudo, afinal, são crianças não é? Mas com o passar dos dias, a mãe e os cães adultos passam a não tolerar as atitudes indesejáveis, como latir sem motivo, perturbar o sono de um cão adulto, ou seja, desfiar a autoridade dos mais velhos de algumas forma. O aprendizado começa a ser feito por meio de correções vindas da mãe e dos mais velhos.

bila espelho

Outra característica da fase do imprinting é que o animal aprende a qual espécie pertence. Isso é importante para o acasalamento da espécie e para a socialização do animal no seu grupo. Nesta fase aprendem com sua mãe e com os irmãos de ninhada – isso faz com que eles compreendam seu grupo social. Ou melhor, aprendem que humanos são uma coisa e cães são outra. Aprendem a sinalizar para os irmãos quando estão dispostos a brincar e também quando a brincadeira foi longe demais. Essas habilidades são importantíssimas para o futuro da convivência deste filhote na sua futura “matilha humana”.

Se um filhote é retirado do seio de sua mãe aos 30 ou 40 dias, ele perde a chance de aprender sobre a parceria entre cães, o respeito pela a hierarquia e poderá não compreender seu posicionamento em uma matilha e/ou parceria social existente nela. Um filhote retirado cedo demais, aprenderá suas impressões com os humanos que lhe cercam, e poderá pensar em si como um humano ou até mesmo, no humano como um cão.

person_dogNão raramente ouço: “Meu cachorro pensa que é gente!” Sempre respondo: “…ou será que ele pensa que você é um cachorro?”

Normalmente estes filhotes vão para a casa de seus novos donos e lá ficaram isolados do contato com outros cães até tenham tomado todas as vacinas. Isso basta para que ele repudie um cão estranho pelo simples fato não reconhecer ou saber mostrar certos sinais de paz. Se tornando assim um cão anti-social.

Em alguns casos, Con Slobodchikoff explica que, este cão, quando colocado na presença e companhia de outros cães, não terá as habilidades sociais necessárias para saber como interagir com os semelhantes, nem terá sequer interesse pelos protocolos de saudação caninos. Num grupo de cães ele pensará que está cercado por alienígenas e muitas vezes, e responde ao grupo de forma agressiva.

Por isso um cão anti-social é tudo o que você não quer. Um cão anti-social é aquele que morde sua sobrinha de 4 anos sem aviso, é aquele que avança no seu namorado, avança em outros cães na hora de passear, simplesmente por que esse cães quiseram cheirá-lo — ele não entenderá que o outro cão veio em paz, justamente porque não aprendeu a ler a linguagem corporal canina. Um cão anti-social é aquele que rosna toda vez que você chega perto da comida dele, do brinquedo. É aquele cão que todos os funcionários do banho e tosa lembram e odeiam!

scotty
Ainda não acredita que o imprinting existe? Então veja a história abaixo:

Luciana e Nico

Luciana desde que soube que nossa cadela estava grávida, ficou na lista à espera de um filhote. Visitava-nos quase quinzenalmente e sempre que conversava-mos suas expectativas só aumentavam. Após o nascimento, logo decidimos que Luciana ficaria com Nico (o Nicholas) – o mais picurrucho da ninhada. Continuou nos visitando e após comprar todos os novos pertences de Nico, a espera pareceu se tornar mais longa e as expectativas de Luciana triplicaram.

Lu havia lido livros de adestramento, de César Milan à Alexandre Rossi. Apoiados no conhecimento que Lu havia adquirido, permitimos que Nico fosse encaminhado ao novo lar aos 55 dias. A reação de Nico foi a pior do mundo! Chorou a noite inteira, escondeu-se embaixo da cama, enfim, amendrontou-se! Isso deixou Luciana nervosa, ao ponto de chorar junto com ele o que deixou Nico mais inseguro ainda!

A euforia do novo filhote em casa, fez Lu deixar de lado todo o conhecimento adquirido nos livros de adestramento. O jeito era trazer Nico de volta à matilha! Foi o que fizemos! Nico cresceu mais um pouco, aprendeu a controlar seus ímpetos e medos – sim! Filhotinhos sentem medo!

Lu ficou morrendo de saudade e resolveu encarar uma segunda tentativa. Mas dessa vez prometeu revisar todos os ensinamentos de liderança que havia lido. Nico já estava com 75 dias, mas no fundo, eu tinha receio que Nico tivesse se traumatizado!

Sabe o que aconteceu na segunda vez? Para nossa surpresa, Nico se comportou como um rapazinho muito bem educado! Dormiu no seu crate, sozinho no espaço que lhe foi destinado! Não chorou, não fez birra! Hoje Nico possui um comportamento exemplar, mesmo para um terrier! Luciana conta que ele não destrói os móveis nem sandálias. E só recebe elogios por onde passa, inclusive dos veterinários que ficam encantados com o comportamento calmo e assertivo dele!

nikoPonto para um imprinting bem conduzido!

Viu como mais 15 dias dentro da matilha fizeram uma diferença danada?

Felizmente, cães num grupo misto, de humanos e cães, aprendem a distinguir seus semelhantes dos humanos. E quando é permitido que ele fique com sua mãe e irmãos até a 3o ou 4o mês – voilá! Aprende todas as habilidades sociais que precisará no futuro.

Mas, se no momento do imprinting, for colocado somente na companhia de humanos e além disso, ficar isolado, ele irá reconhecer somente as pessoas ao seu redor, poderá tornar-se agressivo com outros cães e com pessoas estranhas. E no final, talvez você até diga: “ahh, mas lá em casa ele adora as crianças e nunca rosnou pra ninguém!” – bem, agora você já entendeu porque né? E isso não retira dele o rótulo de cão anti-social.

Aproveite o ensejo para reconhecerquando um criador que quer manter os filhotes mais tempo na matilha. Esse é o criador que se preocupa com a raça que cria! Os pseudo criadores, querem logo se livrar da trabalheira e liberar os filhotes assim que desmamam, sem se importar com as consequências que seus atos possam trazer.

Embora os efeitos de imprinting mal conduzido possam ser revertido, Con Slobodchikoff nos conta que isso dá um certo trabalho. Um cão que não aprendeu habilidades sociais em idade precoce pode até ser socializado, mas isso requer muita paciência e esforço por parte do proprietário. Segundo ele a maneira mais fácil de prevenir futuros problemas ainda é retirá-lo da matilha em idade bem adiantada.

Ahhh…curioso quanto ao título desse post? Refere-se a um email que recebi que tinha como conteúdo apenas seguinte texto: “quanto custa um filhotinho desmamado?”

Esse post tem 4 comentários
  1. Andreia,
    olha eu relendo seus posts pela décima vez! haha… São todos muito bons e têm me ensinado muito.
    Relendo este post hoje, me surgiu uma dúvida. Concordo totalmente com o aprendizado em matilha. Penso que seja semelhante ao Tarzan, tirar um bebê do seio familiar tão novinho, e colocá-lo para viver com chipanzés antes que seja capaz de saber que ele é um humano. Risos.
    Mas, voltando na dúvida, nesses casos, os filhotes não sentem mais a separação da matilha? Explico: ainda com o Tarzan, se foi bem novinho pra casa dos chipanzés, não vai sentir falta dos pais e irmãos que deixou pra trás. Mas se for mais velho, vai saber que é humano e sofrer profundamente pela separação.
    Bom, é só curiosidade! Mas pode ser interessante avaliar isso também né?
    Muitos abraços,
    Jeimila.

    1. Oi Jeimila,

      Não entendi a comparação. Cães são cães, humanos são humanos. Você ia ser surpreender com o modo que os cães vêem o mundo, se lesse livros sobre comportamento canino. Indico o livro “cão senso” e o “a cabeça do cachorro”.

      Aqui eles fazem imprinting com o grupo deles E COM os humanos. O imprinting ocorre duplamente. Assim, aprendem que os humanos são fonte de alimento (maior interesse de um cão num humano é esse). E no caso, quando vão à nova casa, percebem que a fonte de alimento trocou, obvio. Mas que aquele novo humano tb é um cara legal. “Ok! Vou sobreviver. Vire a pagina”…pode parecer cruel, mas é assim que os cães pensam. Eles são imediatistas, objetivos, resolutivos. Nós que complicamos as coisas.

      Se fosse assim não conseguiríamos doar cães entre nós e fazê-los novamente felizes. Com 6-8 semanas ele vivem a segunda fase do medo. Na maioria das vezes é quando são enviados às novas casas. Um bebe de 6 semanas vivendo a segunda fase do medo, num ambiente desconhecido? Tsc tsc… Algo está errado nisso.

      Enfim, eu tenho minha experiência como você leu. Enfrentar um novo ambiente com 12 semanas tem sido muito mais confortável pra eles, embora alguns comportamentalistas, como Alexandre Rossi, indiquem a separação com 8 semanas.

      Como tenho certeza que eles nunca acompanharam e encaminharam várias ninhadas, prefiro seguir o meu coração e o relato dos novos donos, dizendo que eles chegam super confiantes no novo ambiente. Tem dado certo.

      PS: o conselho de se encaminhar com 8 semanas é por causa da socialização. Grandes canis mantêm os cães adultos e filhotes trancados em baias e/ou gaiolas de Pet shop. No caso, aqui eles se socializam. Assim, eu prefiro entregar com mais idade.

  2. Olá! eu adoro seus posts! tbm os leio diversas vezes!
    Estou esperando meus filhotes crescerem para virem para a casa, mas minha dúvida é a seguinte: Irei pegar dois filhotes: um macho e uma fêmea da mesma ninhada. Já ouvi de tudo sobre isso, que é bom para eles e que é ruim, pois podem brigar. qual sua opinião sobre isso?
    Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Send this to a friend