skip to Main Content

Síndrome do vômito bilioso em Westies

westie      Vômito nos cães é uma das causas mais comuns da clínica veterinária, e quase sempre chegamos no consultório veterinário ansiosos para saber exatamente porque nosso peludo está vomitando tanto.Porém, perguntar é fácil, difícil é responder! O vômito canino pode ocorrer devido à causas bem simples ou pode ser indicativo de um ou mais problemas complexos. Veja abaixo quantas causas podem levar seu peludo ao vômito:

boletim_tecnico_cerenia_abril2010_Page_3

Fonte: TARNS, Todd R. Visão clínica geral do vômito em cães. Boletim Técnico, Pfizer Saúde Animal, abril de 2010

Mas, além da preocupação com a “causa do vômito”, é muito importante que você tenha idéia da diferença entre regurgitação e vômito – no blog do Cachorro Verde há esse post que explica bem essas diferenças.Como as causas dos vômitos são inúmeras, e umas mais comuns que as outros, logo de cara seu veterinário vai conduzir  a consulta perguntando sobre distúrbios mais comuns causadores de vômito: reações adversas ao alimento, parasitas gastro intestinais, corpo estranho ingerido, reações a medicamentos, distúrbios metabólicos (p. ex., doença renal e hepática, anormalidades eletrolíticas) e outras infecções. Acredite, alguns parasitas podem causar vômito sem causar diarréia.Além das causas mais conhecidas descritas no quadro acima, em algumas raças, incluindo os Westies,  é comum um quadro de vômito em episódios frequentes chamado na prática de “síndrome do vômito bilioso”. O blog tem recebido inúmeras perguntas sobre esses quadros e assim, pesquisando sobre o assunto entrei em contato com o estudioso Prof. Dr. Ricardo Duarte, que para minha surpresa fez um breve relato, porém esclarecedor sobre o assunto. Transcrevo a seguir:Recebo muitos emails questionando sobre vômitos frequentes em Westies na idade de 5 a 24 meses. Você percebe isso na clínica?Você tem razão…se eu vejo um westie me esperando para consulta eu já pergunto se é vômito. Se não for, eu sei que é encrenca (risos). Mas, na verdade, o vômito é bem comum em cães de raças pequenas, como lhasa, shih tzu..nesta faixa etária.  Quando eles têm apetite e mesmo assim vomitam bile pela manhã, pode ser indicativo da  síndrome do vômito bilioso.Alguns donos relatam que com a maturidade os vômitos tendem a diminuir. Isso é verdade?Sim, embora não existam estudos, muitos dos pacientes, independente da raça deixam de ter o problema com a maturidade. Talvez, a síndrome do vômito bilioso possa estar relacionada a um distúrbio do esvaziamento gástrico.Qual a causa mais provável dessa “Síndrome do vômito bilioso”?Pouco se sabe sobre o assunto. Os livros trazem um quarto de página sobre a doença e inexistem estudos. Como eu te disse é um problema de esvaziamento gastro-duodenal.É uma síndrome específica dos Westies? Pode ser considerada hereditária?Não. O westie não é a única raça a apresentar. Lhasas, shih tzus, daschsunds também apresentam bastante. É sempre uma preocupação por parte dos donos se isso pode ser hereditário, mas não existe nenhum estudo comprovando a teoria de que pode ser uma doença hereditária.Conheço proprietários de Westies que relatam de mudanças na dieta melhoram o quadro, principalmente quando se opta pela dieta natural. Porque eles melhoram?Por ser um problema ligado ao esvaziamento gastro-duodenal, talvez a dieta natural seja mais fácil de passar pelo piloro, a passagem do estômago para o duodeno. Mas temos que levar em conta a hipersensibilidade alimentar (uma reação imunológica contra constituintes da dieta).Nesses casos, a mudança de dieta pode causar melhora por eliminar da dieta um alérgeno. Embora essa abordagem seja uma opção simples e barata, prefiro que os donos façam essa opção de forma controlada. Se não for formulada adequadamente, a dieta caseira pode ser inadequada, a longo prazo, para um cão em crescimento.  Nos casos que o proprietário opta por dieta caseira – e ela funcionar – vamos discutir se faremos uma exposição controlada de alérgenos, para descobrir qual, ou quais, alimentos podem causar a recidiva das manifestações  clínicas.  Esse procedimento é chamado de “exposição provocativa” e deve ser realizado com orientação do veterinário.  Tudo isso com a supervisão de uma veterinária especialista em nutrição que trabalha comigo.Como é a abordagem clínica?As abordagens são inúmeras e mudança da dieta é uma delas. Eu procuro usar sucralfato (um protetor de mucosa) associado a um fármaco que estimule o esvaziamento gástrico. É melhor vomitar bile com sucralfato do que só bile. Na verdade a bile é a pior coisa que podemos vomitar. Nem o suco gástrico é tão irritante para o esôfago quanto a bile.  Mas existem outras abordagens, caso isso não funcione.Quais as doenças que devem ser excluídas no diagnóstico?A hipersensibilidade alimentar seria uma das causas que deveríamos excluir. Mas essa é a experiência de um indivíduo, precisaríamos de estudos bem conduzidos e, infelizmente, isso não é fácil. Como é uma doença de exclusão, sem causa conhecida, os pesquisadores teriam que excluir todas as causas de vômito de origem duodenal. Isso envolve o básico: exames laboratoriais para excluir verminoses, doenças metabólicas… e deveria incluir endoscopia para descartar doenças do duodeno. Na prática isso encarece muito a abordagem do paciente.Quais os exames que são solicitados inicialmente?Normalmente eu começo com o básico. Exames de fezes e de sangue, associados ao ultrassom. Se algum desses exames levanta uma “bandeira vermelha”, eu converso com o proprietário sobre quais as próximas opções, vantagens e desvantagens, riscos e custos. Decidimos juntos o melhor para aquele paciente.Na ausência de alterações nos exames mais baratos e menos invasivos, costumo tratar e esperar a resposta. Uma diminuição dos episódios de vômito é esperada nos casos de vômito bilioso.E quando, após o tratamento, não há a resposta esperada?Se o tratamento não funciona, repensamos tudo, e é hora de mais exames, como testes hormonais (dependendo da idade) até endoscopia. Tudo é muito individualizado. Se eu acho que um paciente não tem condições de passar por uma triagem terapêutica (dieta, por exemplo), geralmente insisto no diagnóstico definitivo, visto que cães com síndrome do vômito bilioso não devem estar “mal” clinicamente. Isto é, apesar do vômito crônico, não devem estar sem apetite, prostrados ou desidratados.

Aliás, “síndrome do vômito bilioso” é um péssimo nome, né? Isso o dono do cachorro já sabe. Imagina, você vai ao médico porque está mancando da perna direita. Ele nem te examina, não pede radiografia e diz que você tem a “síndrome da perna direita que manca”? foto_palestrante_67

Na verdade, é uma doença comum de cães de raças pequenas.  Não necessariamente é uma doença hereditária.  Pode ser reflexo da nossa inabilidade em formular uma ração adequada para essas raças.  Talvez os pellets (formato do grão da ração) sejam adequados para a mordedura, mas não são adequados para o esvaziamento gástrico de cães dessas raças, ou até mesmo, outro motivo.O Dr. Ricardo Duarte é um estudioso veterinário que atende gastrenterologia no Hovet Pompéia, além  pesquisador, é professor de Clínica Médica de Pequenos Animais. De vez em quando ele não fala de veterinária aqui

This Post Has 9 Comments

  1. Nossa, que post interessante. Minha cachorrinha tinha disso, sempre de manhã. Consultamos o veterinário também, mas não usamos nenhum tratamento, mudamos a alimentação para manhã e parou, incluindo raras exceções.
    E se não fosse esse post eu não saberia que é algo tão comum.

  2. Passei aqui para deixar meu testemunho, minha Westie (Lola) que hoje está com 2 anos e 6 meses vomitava desde que completou 1 ano aproximadamente. Eram crises de vomito que no auge chegavam a 6 vezes ao dia. Tentamos de tudo, após vários diagnósticos errados, como por exemplo que ela tinha hipoadrenocorticismo, chegamos até o Dr. Ricardo.

    Hoje após 6 meses da primeira consulta me lembro dela ter vomitado 1 vez apenas e agora já passa de 4 meses sem nada de vomito.

    Somos gratos, eu minha esposa e a Lola pela solução definitiva que tivemos do nosso caso, eu deixo uma mensagem a todos que sempre busquem pela solução, não desistam, devemos ter mais de 50 exames em casa sempre tentando dar uma qualidade de vida melhor para nossa cachorrinha, portanto busquem, busquem mesmo pois infelizmente profissionais competentes ou empenhados não são encontrados facilmente.

  3. Parece estar relacionado ao tempo de jejum e/ou a ansia por uma nova refeicao, dai o fato de em geral ocorrer pela manha e na maioria ter melhorado quando passa as refeicoes para manha e final da tarde, ao inves de meio dia e noite. Meu westie tinha pela manha , mas depois espacei para 3 refeicoes , sendo uma pela manha e reduziu muito. Agora so ocorre quando fica um tempo maior sem comer e fica muito ansioso, como todo westie, pela nova comida.

  4. O Pipo mantém a dieta com a alimentação natural e entre as melhoras que percebemos está o fato de não vomitar mais (as outras são a diminuição da perda de pelos e das otites). =)

    1. Oi Paula, eu te aconselho a procurar ajuda com um veterinário que seja especialista em gastroenterologia. Como você percebeu no quadro azul do nosso post, há algumas dezenas de motivos que podem levar o seu dachshund vomitar assim – só um veterinário pode te ajudar a achar a causa e tratá-la! Não é normal que ele vomite todas as noites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close search
Carrinho
Back To Top
Send this to a friend