skip to Main Content

Padrão racial do Westie V – Mordida

“Maxilares  / Dentes: maxilares  fortes  e de  igual comprimento.  Tão amplos  entre  os caninos que  torna­-se  compatível com  a expressão marota almejada. Os dentes  são grandes para o porte do cão e apresentam uma articulação em  tesoura,  isto é, os  incisivos  superiores recobrem os  inferiores  em  contato justo e  são engastados ortogonalmente aos maxilares.”

Interpretação do padrão

Oclusão

De acordo com veterinária Juliana Kowalesky, a oclusão (mordida) normal de um cão deve apresentar:

  • incisivos superiores cobrindo parcialmente os incisivos inferiores (mordida em tesoura).
  • canino inferior ocluindo eqüidistante entre o incisivo lateral superior e canino superior.
  • Pré-molares superiores e inferiores apresentam intercuspidação: primeiro pré-molar superior oclui entre primeiro e segundo pré-molares inferiores e assim por diante.
  • Quarto pré-molar superior cobre por inteiro o primeiro molar inferior, durante oclusão.
image
Figura retirada de Kowalesky

Segundo Derek Tattersall, a mordida do Westie deve ser em tesoura, ou seja, a mandibula superior cai recobrindo a mandíbula inferior. Assim como na maioria das raças, bocas prognatas e retrognatas devem ser penalizadas.

docs11_0001
 Esquerda mordida retrognata e direita mordida prognata. Ilustração de Derek Tattersall.

O Westie possui 6 dentes incisivos em ambas as maxilas (inferior e superior) e o efeito de sua mordida é poderoso.

Visão frontal da mordida em tesoura. Ilustração de Barbara Hands.

 

docs11
 Acima e esquerda; mordida em tesoura, direita: mordida em nível, abaixo: vista frontal correta.
Ilustração de Derek Tattersall.

 

Segundo Derek Tattersall, na Alemanha os árbitros costumam checar o número de pré-molares nas exposições – deve haver 6 na maxila inferior e 6 na superior. Naquele país, cães com faltas de pré-molares são penalizados.

Mas como você leu no trecho acima, o padrão adotado aqui no Brasil não exige a presença deste ou daquele dente em particular. Porém, as muitas linhas de sangue boas apresentam falta de pré-molares.

Alguns veterinários afirmam que o pré-molar é um dente que tenderá a desaparecer com o tempo, devido à domesticação do cão – é natural que um ou outro cão nasçam com a falta deles. Você parou pra analizar o tamanho atual do P1, o primeiro pré-molar canino? Você acha mesmo que um cão domesticado usa este dentículo pra alguma coisa?

image
Figura retirado de Kowalesky
Considerações à parte, abaixo traduzo um trecho do livro do Derek sobre o fato:
“Na Inglaterra não nos preocupamos muito com pré-molares, pois o pré-requisito de um terrier é matar a presa e para isso é necessário ter um mordida em tesoura – o que é suficiente para executar o trabalho para o qual a raça foi criada. Quando eu estava julgando na Alemanha, fui questionado sobre o que fazíamos na Inglaterra quanto ao pré-molares faltosos. Eu respondi: NADA!
O exibidor alemão interpelou-me dizendo que o Westie era um cão de caça e como poderia carregar a presa com falta de pré-molares?
Minha resposta foi: Você já tentou tirar uma presa da boca de um terrier?”
Westie Today, pág. 46
Bem, pra quem, assim como eu, já ganhou de presente de um Westie uma caça, mais precisamente um lagarto morto, sabe exatamente o que o Derek quis dizer!
FONTES:

KOWALESKY, Juliana.Odontologia Canina. Disponível aqui.
TATTERSALL, Derek. Westies Today, New York: Howell Book House, 1992.
HANDS, Barbara. The West Highland White Terrier, London: Bartholomew, 1977.
Padrão racial do West Highland White Terrier FCI/CBKC

This Post Has 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close search
Carrinho
Back To Top
Send this to a friend